Não gosta do idioma inglês? Saia da Programação. Isto não é para você.

Na faculdade, tive um (excelente) professor que era conhecido como "O _GRANDE_, O _DEUS_". A comunidade dele do Orkut tinha alunos, ex-alunos e até futuros alunos, e havia um tópico com as frases mais famosas (não acho de jeito algum a comunidade, mas era ótima). Uma delas era algo como:

"Se você entrou neste curso [Bacharelado em Ciência da Computação] e escolheu língua espanhola como opção de língua estrangeira, merece ser reprovado em todas as matérias retroativamente!"

Nunca poderia concordar mais com o _GRANDE_ _SENHOR_, o mestre supremo de Arquitetura de Computadores e Sistemas Operacionais - aliás, passar nas matérias dele era façanha para poucos, e reprovei algumas vezes antes de conseguir. E olha que gosto e falo de espanhol, mas não tem condições de usar espanhol na programação.

Se você trabalha com programação, precisa saber inglês. Isto não é negociável, lamento. Inglês é a lingua franca da programação. A maioria esmagadora das linguagens de programação se baseia no inglês, que compõe a maioria esmagadora do repertório de palavras reservadas das linguagens de programação.

That would be great

Adicionalmente, se você escreve um bom sistema e a documentação mais completa dele está em um idioma diferente do inglês, sua aplicação estará fadada ao fracasso. O exemplo mais emblemático disso se chama GLPI, um sistema de controle de ativos de TI e controle de chamados, escrito em PHP e que integra com os céus e com o inferno. A documentação? Os fóruns? Em francês.

Sim, jovens. Francês. Ainda há a documentação para inglês (incompleta, mas existe), mas o alcance global da ferramenta ficou restrito a 29 países. Ainda que seja bastante coisa, temos que considerar que o mundo tem muitos mais (entre 193 e 206, dependendo da contagem). Eu já vi o GLPI algumas vezes em empresas daqui do Brasil. Funciona bem, apesar de ser PHP. Agora, pense o inferno que é na hora de achar a documentação do Web Service dele. Como alguém que já escreveu algumas ferramentas, eu não gostaria de vê-las restritas a 1/9 do mundo.

Veja que não disse até agora em "não falar perfeitamente o inglês". Não dominar a língua bem não é um problema. Eu mesmo aprendi sozinho, levei anos para aprender a falar corretamente, fui zoado por uma porção de amigos e colegas por ter um sotaque manco e não saber formar frases corretamente, mas isso não me fez parar. Hoje em dia posso dizer que falo com naturalidade. A dificuldade também não é exatamente simples: a raiz do idioma é anglo-saxônica, diferente do português, que tem raízes itálica e românica. Tudo é diferente: as flexões, as regras gramaticais, as construções frasais. É preciso alguma dose de esforço para aprender. Isto tudo não é problema. O grande problema é se recusar a aprender porque não gosta do idioma.

Empatia, infelizmente, é algo que não é todo mundo que tem.

English, MOFO!

Quando falamos de produtividade, essencialmente em programação, em que a maioria acachapante de manuais e tutoriais estão em inglês, não dominar o idioma é fatal. É uma condição de desvantagem terrível. Você sempre ficará para trás em relação aos colegas de profissão que dominam o inglês e que podem ler um artigo ou tutorial instantaneamente.

O cúmulo disso foi uma empresa que trabalhei cuja escolha de um determinado software era determinada pelo idioma dos manuais, que deveriam estar em português, isto porque o responsável pela área não dominava o idioma. Não é à toa que levamos um 7 a 1 diferente todos os dias. Escolhas ruins começam em critérios baseados nas limitações das pessoas.

Você não tem motivos para não começar a aprender agora mesmo

Se você chegou até aqui e já construiu sua lista de desculpas para não começar a estudar, e ela envolve dinheiro ou tempo, deixe-me desconstruí-la.

Se o problema é tempo, temos esta pequena lista de cursos gratuitos para você começar:

"Mas só preciso da conversação, ler e escrever eu sei"

Agora, se ainda assim você leu tudo isso e não quer aprender, faça um favor por nós, programadores. Saia da programação e vá fazer outra coisa. Minha sugestão é vender coco na praia.